Quando conhecemos a harmonia da obra, mesmo que os símbolos sonoros não estejam marcados, deduzimos que dinâmica colocar.


PLANO SONORO

planosonoro


SINAIS DE DINÂMICA

planodedinamica


Dentro do Plano Sonoro, temos o volume que devemos tirar do instrumento

Os Sinais de Dinâmica indicam que devo aumentar ou diminuir o som.

A Ligadura de Frase, além de indicar uma execução unida – sem espaço (pausa) entre cada som – indica também que o início e o fim sejam leves – dependendo de analise para determinar como usar as chaves de som.

Se o plano sonoro for Forte, devemos fazer crescendos e diminuendos dentro do plano pedido. Se indicado Piano, os crescendos e diminuendos também deverão respeitar o plano Piano.

As mãos necessitam de treinamento sonoro. Estudar uma obra sem observar a dinâmica pedida pode acarretar em vícios sonoros que o corpo irá automatizar.

A dica é estudar uma frase, repeti-la até sentir que a mecânica começa a obedecer. Sentindo isso, coloque imediatamente o pensamento na sonoridade enquanto a mecânica está “quente”.

É pela construção sonora que se consegue começar a “curtir” o estudo, sentir a obra.


Georges Bull, compositor romântico, escreveu vários estudos melódicos de agradável sonoridade e de fácil execução.

O primeiro exercício, “A Passos Curtos” é simples e bem oportuno para análise harmônica e sonora.

bull1

O compositor marcou a Dominante (V7) Sendo bem sonora para que a resolução fosse mais relaxada.

A ligadura da mão esquerda de um acorde para outro – unindo dois sons – além de ser uma execução ligada, a ligadura também indica que o segundo acorde deverá ser mais leve que o primeiro. No último compasso, tem uma ligadura de dois sons novamente. A inflexão deverá ser o 1º mais forte e o 2º mais leve.

A ligadura do 3º compasso, une 4 sons. O fator do compositor ter escrito uma apojatura curta (ornamento cuja forma de execução varia enormemente, dependendo da época considerada), nos dá a vontade de dar um leve acento e diminuir até a nota Mi, ou seja, a ligadura também indica que sonoridade fazer com 4 sons (veja o assunto em Ligaduras).


bull2

A parte A poderá ser sonora – ou f – para haver contraste quando iniciar a parte B que pode ser – p – .



bull3

A parte B passa para um tom menor (Lám) e pelo fator de ser menor, não tem a mesma força do tom original (DóM), podemos então entrar mais suavemente, ou seja – p -.

Aqui também presentes a ligadura de 2 sons.



bull4

A progressão está composta sobre um acorde de Dominante porém resolvendo num acorde maior (SolM), podemos então entrar um pouco mais sonoro (- mf -).
A primeira cadência (conjunto de acordes que levam a uma ideia musical) – pe a segundamf -.



bull5

No 3ª compasso a proposta da ligadura de 4 sons é diferente assim como a ligadura de 2 sons da mão esquerda, são o inverso do início da obra, ou seja, a Dominante (V7) é mais leve que a Tônica (I) e o ornamento leve para crescer e assim anunciar o término da parte B e recomeçar o tema inicial.

Fica bom se os 3 acordes de Dominante da mão esquerda forem crescendo até chegar – f – na Tônica.



bull6



Exercício completo





 LIGADURAS